"Transforme a prática em ambiente de reflexão!"

Blog

Archive for setembro 2016

Novos planos, o mesmo propósito!

arg18-16-mudanca-planos-proposito

Há algum tempo atrás, durante um papo inspirador, um dos participantes perguntou a respeito sobre como lidar com as constantes mudanças na carreira, impostas ora pelas incertezas do mercado, noutros momentos pela busca de satisfação pessoal. Naquela oportunidade respondi algo que se tornaria um dos meus lemas: “Nós não mudamos os planos de um sonho… Apenas os transformamos! Não seja rígido com seus sonhos, e sim com seu propósito!”. Recentemente, assumi para mim mesmo novos planos, porém, mantendo-me firme no mesmo propósito. Mas o engraçado é a reação das pessoas.

Continue lendo

Capítulo III – Outros olhares…

edc-l1-c3-outros-olhares

Livro I – Inverno

Capítulo III – Outros olhares…

O som do despertador soou antes que tivesse aberto os olhos, para seu completo espanto. Surpreso por ter acordado daquela maneira, consultou o relógio assustado, levantando muito rápido, indo direto para o banho, sem se deter no corredor para olhar a poltrona vazia na sala. Parou apenas em frente ao espelho, observando seus olhos, ao redor dos quais pareciam haver hoje menos olheiras, como se agora demonstrasse a idade que realmente tinha, sem mais a impressão pesada dos anos que ainda não vivera.

Continue lendo

Filosofia, pra quê!?

arg171-17-filosofia-pra-que-encontro-2-poder-duvida

O domingo ensolarado é um convite ao picnic no Jardim Botânico. Pessoas vão surgindo de todos os lados, trazendo consigo toalhas e sacolas. São grupos, casais, e outros acompanhados por seus livros, sempre em busca do melhor lugar, nem tão ao sol, nem tão à sombra. De repente, a grama verde se torna colorida, como uma imensa colcha de retalhos. E em meio a algazarra promovida por crianças, que sem cerimônia criam elos de amizades em questão de segundos, alguém pergunta: Filosofia, pra quê!?

Continue lendo

Questão de identidade

arg16-16-identidade-questao-duvida-pessoa

A questão de identidade se tornou um desafio constante para os viventes dessa nossa “Modernidade Líquida”. Hoje, precisamos ressignificar tantas coisas, o tempo todo, como nossa visão sobre o trabalho, as relações com o outro, o mundo e, portanto, sobre nós mesmos, pois tudo muda tão rapidamente e de maneira contínua, numa absoluta impermanência, como a própria vida.

Continue lendo

Capítulo II – O confronto…

edc-l1-c2-confrontoLivro I – Inverno

Capítulo II – O confronto…

Ele acordara antes do despertador, aguardando pacientemente pelo som irritante que o obrigaria a se levantar. Olhara a poltrona vazia e tomara seu banho. Com uma espiadela no espelho, confirmou que a roupa condizia com uma quinta-feira cinzenta. Transpôs espaço e tempo até o escritório, e de sua mesa de trabalho até a praça de alimentação de um shopping próximo, depois para a mesa de um café. Tudo parecia ordinariamente certo, na ordem que deveria ter todos os dias ordinários…

Continue lendo

“Como reter os talentos da organização?”

arg15-16-como-reter-nossos-talentos-blog“As perguntas mais simples são aquelas que merecem ainda mais reflexão para serem respondidas!”. Mais do que um lema, esse é um mantra que levo comigo e compartilho com os participantes de cada palestra e workshop. Como num recente projeto, quando realizei alguns papos inspiradores com diferentes temas e sugeri que cada encontro fosse apresentado através de uma pergunta simples e direta. Desta forma, o terceiro encontro se chamou: “Como reter os talentos da organização?”.

Continue lendo

Capítulo I – Outro dia ordinário de frio…

Livro I – Inverno

Capítulo I – Outro dia ordinário de frio…

vince-byme-estacoes-da-consciencia-inverto-livro1-capit1Ele abriu os olhos como se já estivesse acordado há horas, fitando o teto, pensando que aquele imenso nada branco era como o prenúncio de outro dia ordinário de frio. Conformado com esta realidade, esperou pacientemente que o despertador tocasse.

Todas as manhãs eram assim. Ele despertava do sono antes que o aparelho ruidoso o lembrasse da obrigação de se levantar. O olhar não trazia sinal algum da lembrança de quaisquer sonhos que pudesse ter tido.

Continue lendo